terça-feira, 23 de julho de 2013

Osamu Tezuka o Deus do Mangá


  Nesta matéria preparei algo muito especial. Vamos falar sobre Osamu Tezuka, premiado e conhecido internacionalmente, até hoje os japoneses e fãs de animê e mangá do mundo inteiro se referem á ele como '' Mangá no Kamisamá '' ( O Deus do Mangá ). Descubra o porque agora!





 Eu estava cometendo um pecado em estar deixando de falar sobre o Tezuka na seção Quadrinhos
aqui no blog. Vejo muitos fãs de mangá/anime que não conhece sobre ele, principalmente os novatos. É super importante saber que aquilo que chamamos de mangá  não existiria, se ele não existisse os trabalhos do MAIOR criador japonês de quadrinhos e animação, ou seja, Osamu Tezuka.



Osamu Tezuka é o ''divisor de águas'' da história do mangá e do animê. Nascido na cidade de Osaka em 1926, filho de uma família de classe média, ele logo revelou uma forte tendência para criar histórias e desenhar. Suas grandes influências vinham das tiras cômicas que eram publicadas nos jornais e dos desenhos animados do pioneiro Walt Disney. Em 1946, ele cria o seu primeiro ''best- seller'': Shin Takarajima- uma HQ que misturou elementos da linguagem cinematográfica aos quadrinhos, algo que se tornou característica do mangá moderno. Poucos anos depois, Tezuka começaria a publicar as séries que marcaram gerações de crianças e jovens japoneses: Jungle Taitei ( Kimba, o Leão Branco) em 1950: Tetsuwan  Atomu ( Astro Boy) em 1952; Ribon no Kishi ( A Princesa e o Cavalheiro)  em 1953; definido com personagens magros e olhos grandes e brilhantes o estilo hoje conhecido como shoujo mangá, Hi No Tori ( O Fênix) em 1967 Black Jack em 1973. Em 1963, ele realizou seu sonho de produzir animação em série no Japão , com a estréia na TV na versão animê de Tetsuwan Atomu, realizada pela sua própria produtora, e em seguida se tornou o primeiro produtor de animê em exportar uma série para o exterior, quando Astro Boy passou a ser exibido nos Estados Unidos.


 Ele foi o pioneiro em tudo que hoje chamamos de mangá e animê. Dedicou sua vida ao mangá e trabalhou incansavelmente para analisar trabalhos de profissionais amadores, o ''Deus'' do mangá mostrou o caminho para aprimorá-los, apesar de sua vasta experiencia e conhecimento sobre mangá, jamais falou mal de qualquer trabalho. Entretanto seus péssimos hábitos alimentares o levaram á adoecer, e pouco tempo depois morreu de câncer no estômago, em fevereiro de 1989. O Japão e o mundo chorou com sua morte, pois todos já sabiam do seu talento e seu trabalho já era reconhecido em vida.
 Antes de Tezuka, os personagens não tinham olhos grandes e o animê mal existia. Depois dele, a virada cultural do Japão mudou para sempre. E graças á ele, o mangá e animê foram popularizados!
  Conheça agora algumas das principais obras dele!

Jungle Taitei ( Kimba, o Leão Branco) -  
A história gira em torno da selva africana, lá vivia um leão chamado Panja. Ele era um leão branco, e queria dar á todos os animais selvagens um abrigo livre do medo dos homens e de todos os outros animais. E na grande medida ele é bem sucedido, seu único erro foi liberta o gado das vilas vizinhas. Daí então caçadores vem, Panja caí na armadilha, mais depois foge, e anda por muitas cidades como Londres e Paris, e conhece bons e maus humanos, além de admirar-se com as tecnologias do homem. Quando finalmente Kimba chega á África, ele encontra problemas de reconquistar o seu reino e tornar o mundo animal mais civilizado.
O mangá de Kimba começou a ser publicado na revista Manga Shonen ( Comic Boy) em 1950.  Foi o primeiro grande dele em Tóquio, justamente no começo de sua carreira. Na série animada original, o roteiro se diferencia no mangá pois Kimba nunca se torna adulto e o final trágico não existe. Teve 52 episódios e fez muito sucesso. Há polêmica entre o Kimba e o Rei Leão, com o sucesso da Walt Disney, muitos fãs da animação japonesa notaram diversas semelhanças entre ele e o animê de Osamu Tesuka.

Tetsuwan Atomu  (Astro Boy) - a série tem como objetivo nas aventuras de seu personagem título '' Astro Boy'', um poderoso robô criado pelo chefe do Ministério da Ciência, Dr. Tenma, para substituir seu filho Toby, que havia falecido num acidente automobilístico. O dr. Tenma construiu Astro á semelhança de Toby, mais logo percebeu que aquele pequeno androide não poderia preencher o vazio da perda de seu filho e então Tenma acabou o rejeitando e vendendo-o para o dono de um circo cruel chamado Hamegg. Depois de algum tempo o professor do novo chefe da ciência viu uma apresentação do Astro Boy e convenceu Hamegg a entregar-lhe o Astro. Então, ele o levou e o tratou bem, e em seguida percebeu que Astro era dotado de poderes e habilidades superiores, e também da capacidade de expressar emoções humanas. Astro a partir daí começa á combater robôs que odeiam humanos, robôs raivosos e aliens invasores.
  O mangá foi produzido em Abril de 1952 a março de 1968, ganhando diversas adaptações para a televisão de animê. Por ter sido a primeira série animada exibida no Japão, tornou-se referência na área. Com o sucesso, deram origens á indústria japonesa de animação.

Ribon no Kishi ( A Princesa e o Cavalheiro) - A história conta que no céu, antes de descerem para a Terra as crianças recebem um coração. Para os meninos Azul. Certa vez o anjinho Ching, faz uma menina engolir o coração azul e graças a isso ela fica com dois corações. Deus manda o anjo descer a Terra para pegar de volta o coração de menino e não permite que volta ao céu até que ele resolva tudo. No Reino da Terra de Prata, as leis determinam que os governantes sejam homens. Por isso quando a Princesa Safiri nasce, por engano ela é anunciada como menino e seus pais são obrigados a manter á farsa já que na linha de sucessores estão o malvado Duque e seu filho, o Príncipe Plástico. Mas quando ela completa 15 anos, ela se apaixona pelo Príncipe Franz. Daí em diante muitos obstáculos surgem entre os dois além de problemas no Reino e das tentativas do Duque provar que de fato a Safiri é uma garota, para que seu filho fique no cargo.
O mangá foi publicado em três versões em 1954 a 1966, e o anime exibido em 1967 no Japão. O mangá tem forte inspiração nos Temas e estilos musicais do Teatro de Takarazuka a que Tezuka assistia sua infância. O próprio Ribon no Kishi criou um gênero inédito no mundo, os quadrinhos que tem como público as meninas, e estabeleceram muito dos temas dos shoujos posteriores.  Foi o primeiro Shoujo de sucesso.O resultado teve tanto êxito que até houve uma rádio novela produzida na época. A série também foi um dos primeiros animes coloridos produzidos.

Black Jack - No mangá fala sobre um médico que trabalha sem licença e cobra  O Cirurgião do Impossível''.  O médico em geral se mostra apático, aspecto intensificado pela grande cicatriz que cruza seu rosto e que é dividida em duas partes de tons diferentes. Black Jack vive em uma casa de frente para o mar junto com Pinoko, uma garota que aparenta ter pouca idade e que também guarda segredos relacionados á sobrenaturalidade de seu amado protetor.
preços exorbitantes por seus tratamentos, por isso acaba tendo problemas com a polícia em alguns casos mais mantém sua reputação entre seus colegas. Normalmente trata de casos que não são excepcionais, mais complicados , apesar de serem comuns. Seus métodos são desconhecidos e quase sobrenaturais, motivo pela qual Black Jack é algumas vezes referido como ''
  A publicação do mangá durou até 1973 até 1983, sendo o trabalho mais longo de Tezuka. Foi também sua obra mais pessoal, pois nela colocou todo o seu conhecimento acadêmico, uma vez que era formado em medicina, embora nunca tenha exercido á profissão. Na década de 90 teve adaptações para a TV e também um filme lançado em 1996.

Adolf - A história é ambientada antes e durante a Segunda Guerra Mundial e é centralizada em três personagens de nome Adolf. Adolf Kamil é um judeu Asquenaze que mora no Japão. Seu melhor amigo Adolf Kaufmann que é descendente de japoneses e alemães. O terceiro Adolf é Adolf Hitler , ditador da Alemanha.
 Este foi um mangá que teve um ritmo diferente das demais outras obras de Osamu Tezuka, por ter uma narrativa mais adulta e também por não ser um mangá pra qualquer um, mais ao mesmo tempo é um mangá que todo mundo deveria ler. Acho muito interessante a construção que Tezuka teve pra criar e tornar os personagens ''carismáticos'' na medida do possível. É notável perceber no mangá toda a preparação que há para os bombardeios da bomba atômica. A história também vai além das bombas e trata da questão de Israel e Palestina que há obviamente uma conexão, mais que ás vezes agente esquece que a coisa vem desde a Segunda Guerra Mundial, e o Tezuka coloca os personagens lá. Também é interessante ressaltar aqui que todas as pessoas que forem ler este mangá vão pegar uma mensagem positiva, apesar de ser um mangá extremamente pesado e que acontece guerras quase o tempo todo, mais é extremamente válido ressaltar que o Osamu Tezuka mostra o ciclo de ódio que as guerras constrói, e todo esse ódio começa com as diferenças étnicas e com essas diferenças que causam os problemas e assim vem as guerras.
      Osamu Tezuka não foi o autor do mangá, mais foi o autor que os popularizou. Os traços dele é facilmente identificável; os desenhos são claros, as imagens simples, o enquadramento cinematográfico e o humor sempre teve o seu espaço garantido. Posso dizer que ele foi o mangaká que influenciou todos os demais que vieram depois, e com toda certeza é digno de ser chamado ''o pai do mangá moderno''. Por isso é importantíssimo que todos nós conheça o trabalho dele, e reconheça a sua grande importância e influência no mundo dos mangás.



Nenhum comentário:

Postar um comentário