sábado, 31 de agosto de 2013

Nausicaa - A Princesa do Vale dos Ventos (1984)


 Aqui começa a era dos sonhos Ghibli (embora ainda na época não tivesse esse nome) Mais um clássico de Hayao Miyazaki.!



 Mil anos após os '' 7 dias de fogo '', um evento que destruiu a civilização humana e a maior parte do ecossistema da Terra. A humanidade se esforça em sobreviver neste mundo em ruínas, dividido em pequenas populações e impérios. Isolados um dos outros pela ''Mar da Corrupção''; uma floresta com plantas e insetos gigantes. Tudo nesta floresta é tóxico, incluindo o ar. Nausicaa, é a princesa do pequeno reino chamado ''Vale do Vento'', que tenta compreender melhor estas florestas nocivas aos humanos, ao mesmo tempo ela tenta salvar seu povo da ação belicosa dos reinos vizinhos.

 Kaze no Tani no Nausicaã ou o melhor dizendo Nausicaa A Princesa do Vale dos Ventos é mais um filme de animação do grande mestre Hayao Miyazaki estreado em 1984, um filme que mistura ação + aventura + fantasia + ficção científica e uma pitada de drama muito hipnotizadora e conservadora, uma vez que a história cresce e ganha resistência jamais volta a decair em níveis de questões sociológicas e rivalidade entre os próprios seres humanos.

 O filme Princesa Mononoke (1997) tem grandes semelhanças com Nausicaa no quesito natureza, são cenas tão simbólicas e fortemente impactantes que chega a ser impossível distinguir qual das duas vai mais a fundo no espírito da floresta. Nausicaa e Mononoke tem algo em comum, fora a questão de as duas serem princesas elas possui o mesmo tipo de determinação e respeito com o meio ambiente indo sempre além, compreender os sentimentos dos animais e esquecer o egoísmo, para buscar o equilíbrio entre a natureza e o ser humano. Mais há um porém nisso, Nausicaa não tem a habilidade de ouvir os animais falarem como Mononoke tem, ela dialoga com eles por linguagem corporal e algumas vezes até verbalmente mesmo sabendo que talvez eles não a compreendam, acredito que aí entra uma outra questão que é a de simplesmente sentir os sentimentos, esse elo que Nausicaa tem com os animais chega até ser mais bonito de ver, essa relação de apenas sentir um ao outro chega a ser extremamente mais comovente de assistir. 

















  Interessante notar que o filme não conta com grandes vilões mais ele se centra na tradicional luta pela sobrevivência. As pessoa não entendem os animais e os animais não entendem as pessoas, e essa falta de compreensão de ambas as partes faz com que haja egoísmo e com isso vem a devastação. E a Nausicaa mostra como entender o sentimento de ambos os lados, a busca pela sobrevivência não pode ser medida em interesses próprios mais sim em todo ser que respira (plantas, animais, insetos, humanos e etc).

   Deixando de lado um pouco esse conceito sublime, e vamos aos fatos da época. Há 20 anos atras não existia uma consciência ecológica tão grande como atualmente, Nausicaa que veio muito antes de Avatar (2009) ainda sim se mostra mais atual do que nunca, sem ter um enredo arrastado ou forçado. A história vai muito além de uma preservação ambiental, ela mostra também a relação com os outros povos e como a ambição cega os olhos de qualquer um. A atmosfera do filme é tão pura e simples que parece que teus problemas se tornam minúsculos perante uma coisa que muitas vezes é esquecida porém é de fundamental importância, a compreensão.

 A inquietude que vemos no começo traz ainda mais aquela sensação de simplicidade, entretanto por trás dessa nobreza existe uma racionalidade tão curta que deixa a história avançar aos poucos sem ter um momento de sofrimento logo de cara, o que tiraria talvez a sua simplicidade. A trama forte é claramente influenciada pelos acontecimentos da época, como por exemplo a guerra fria que tinha as tensões do mundo bipolarizado vivendo sobre a constante ameaça de que a qualquer momento um dos blocos poderia recorrer ao seu arsenal, composto por armas de destruição em massa. Esse reflexo chega a ser um tanto que óbvio no decorrer do filme, a paz armada, que alguns dos reinos buscam na trama é uma suposição da corrida armamentista e o Deus soldado nada mais é do que uma representação da ameaça de uma guerra nuclear e do risco que ela acarretaria para todo o planeta. Essas metáforas são as grandes características do excelente vigor expressivo da consciência coletiva produzida na época.





  A beleza visual do filme é incrivelmente fascinante, isso sem deixar de lado as cores fortes contrapondo com as mais claras no entretempo e nas mudanças de ritmo do enredo. E essas mudanças não são feitas bruscamente mais sim na mais perfeita sutileza, uma hora ágil noutra contemplativa, e essa destreza de Miyazaki de forma alguma se torna cansativa ou sonífera muito pelo contrário, esse ritmo próprio é demasiadamente bem feito. Apesar de variadas cenas de ação é uma obra que também contém climas mais promissórias e sensíveis, sem aquela apelação ou fingimento. Eu achei sua sequência final bonita de ver até pra mim que sou meia 'coração duro' pra certas coisas, foi uma passagem que trouxe uma belíssima mensagem sobre a vida, e quando você se dá conta seus olhos estão cheios de lágrimas, T.T

  A essência do detalhismo nota-se em cada cena e em cada movimento dos personagens, o brilhantismo do Miyazaki em cada quadro é simplesmente incrível e inquestionável digno de ser chamado de mestre da animação, até porque percebe-se que ele sabe o que faz. Outro ponto que merece também todo o reconhecimento e respeito é a trilha sonora, singelamente me fez viajar naquele mundo e sentir como se eu fizesse parte do povo deles, canções que flertam com o pop e com a música folclórica tradicional japonesa, lindo, lindo.





  Como veredito final devo informá-los que assistir um filme de Hayao Miyazaki é uma missão mais prazerosa que existe e posso afirmar que é super recompensadora. E porque não assistir Nausicaa - A Princesa do Vale dos Ventos? uma obra de riqueza sem igual, capaz de provocar grande reflexão e fascínio transportando-nos para um mundo fantasioso porém tal real, repleto de metáforas e significados. Sua simbologia é de valor imensurável e incalculável. Esse filme consegue desenvolver em nós sentimentos e valores típicos da nossa infância, além de criar em nós a oportunidade de ver no espelho a nossa própria realidade, é preciso ter aquele olhar sensível e curioso para poder desfrutá-lo de todas as formas possíveis.





Leia também :

4 comentários:

  1. Cara,como sempre é fantástica a forma como você descreve a obra, e como isso faz com que surja um interesse por ela, eu ainda tenho que parar pra assistir esse filme, sempre vejo ótimas criticas sobre ele, e isso tem me deixado bem curioso.

    ResponderExcluir
  2. Como não se encantar pela profundidade presente nas obras de Hayao Miyazaki, simbolismo e morais que são apresentados de forma simples mas profundas.
    Um excelente filme com uma ótima qualidade.
    Só fico triste em saber que tal Diretor, animador e roteirista(um faz tudo) estará se aposentando dos filmes de longa metragem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pior que é triste mesmo, mais ele fez bastante pelo mundo da animação e isso me conforta ^^

      Excluir