segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Resenha do animê Ano Hana - A luta ao desapego


 Ou '' Ano Hi Mita Hana no Namae o Bokutachi wa Mada Shiranai '' para os mais otakus. Hoje descobriremos o porque que as pessoas choram feito uma garotinha quando assistem esse animê.

*Este post não terá nenhuma imagem por conta de direitos autorais.


Esse subtítulo gigantesco que você leu aí em cima pode ser traduzido como '' Nós ainda não sabemos o nome da flor que vimos naquele dia '', sim, após saber o significado deste título gigantesco podemos saber do que se trata o animê inteiro. A flor obviamente se trata da morte de Menma, afinal todos desconhecem. E é tendo isto como base  que a história gira e emociona qualquer um. Então segure o choro porque hoje entraremos mais a fundo no grupo Super Peace Busters!

Sinopse
 Um grupo de seis amigos de infância se separam após um deles, Meiko "Menma" Honma, morreu em um acidente. Dez anos seguintes desta tragédia, o líder do grupo, Jinta Yadomi, isola-se da sociedade e vive reclusos. Em um dia de verão Menma aparece para Jinta, com uma aparência mais velha, pedindo-lhe ajuda para realizar seu o desejo. Ela acredita que precisa realizá-lo para cumprir seu destino. Só que Menma não lembra qual era seu desejo, fazendo com que Jinta reúna seus amigos de infância outra vez, pois acredita que eles sejam a chave para resolver este problema. No entanto os sentimentos escondidos, os conflitos internos e a persistência dos sentimentos de tristeza pelos pais de Menma, resultam em complicações para o grupo, enquanto eles lutam não só para ajudarem Menma, mas a si mesmos.

Informações adicionais
  Ano Hana foi produzido em 2011 pela A-1 Pictures, roteiro de Mari Okada e dirigido por Tatsuyuki Nagai. Ela foi ao ar na FUJI TV entre Abril e Junho de 2011, contendo 11 episódios. A adaptação em mangá foi ilustrada por Mitsu Izum e serializada em maio de 2012, pela revista Jump Square da Shueisha. Um filme foi lançado nos cinemas japoneses em 31 de agosto de 2013. O filme conta a história através do ponto de vista de Menma, além de incluir cenas de um ano após os acontecimentos da série.

Resenha

  Quando eu vi os primeiros episódios instantaneamente me veio na cabeça a ideia de que eu estaria desperdiçando meu tempo com uma história cheia de baboseiras e coisas do tipo. E confesso que fiquei com este tipo de pensamento até descobrir o real significado. De algo aparentemente muito simplório eu pude ver com mais clareza o quão grande a história poderia se desenvolver, e realmente posso dizer que a história cresce de forma muito coesa e num ritmo que jamais poderia imaginar que desta simpleza toda poderia me surpreender. Logo de cara nos deparamos com um clima super dramático e extremamente sentimental, o que chega a chamar a atenção de certa forma. Porém aquilo que deveria ser clichê da pior espécie é transformado em algo super mais sutil e naturalíssimo, como por exemplo os amigos de Menma voltando a se relacionar. Isso deu um ponto extra positivo, um desenrolar de fatos mais atraente de assistir.

 Não só o clima foi melhorando a cada episódio, mais também todos os personagens. A evolução de cada um só serviu para me simpatizar por algo que acreditava ser fútil. Jintan é um dos exemplos disso. Um cara paspalhão e medroso é transformado em alguém mais corajoso e investigativo, ta aí mais um ponto positivo pra série. 

 Se tem uma coisa que aprendi com esse animê foi a capacidade de me provar que de coisas tão simples podem sair as mais belas mensagens e significados. Não é simplesmente uma menininha fofa preenchendo seu tempo com um monte de nada, as coisas vão muito além de sua morte. O crescimento e a interação dos personagens ao longo da série também contribuem para algo mais profundo e instigante de ver. Por mais que a história tenha uma carga dramática extremamente forte, acredito que esse não é o centro, até porque se fosse seria algo para mim muito chato e irrelevante. Seria só mais um animêzinho fofo sem mais delongas, uma encheção de linguiça.

 Porém o centro da mensagem do animê é de grande importância, pois se não houvesse esse significado por detrás dos panos com certeza seria algo morto (literalmente). A forma como os adolescentes lidam para descobrir os mais sinceros significados da vida é o que mais me impressiona, e isso sim deve ser destacado. A dor de desapegar a alguém muito querido, a busca pelos detalhes de sua vida só faziam todos se apegarem ainda mais á ela. Essas irônicas da vida trouxe uma carga dramática muito bem feita.

 Outra coisa a se destacar é o fato de que Ano Hana não é destinado a qualquer tipo de público. Não é qualquer um que vai assistir e se debruçar em lágrimas incessantemente. Então é só para meninas? não. Só para otakus? também não. É para aqueles que gostam de animês que possuem uma mensagem sentimentalista exagerada, caso o contrário você vai odiá-lo.

 O legal de Ano Hana é que você pode interpretar algumas cenas de acordo com aquilo que ela se propõe a mostrar. Por exemplo, aquela parte em que todos estão vendo os fogos de artifício no céu. Aquilo foi uma demonstração concreta da amizade que eles tinham com Menma. Fogos de artifícios brilham no céu por alguns instantes, encanta qualquer um que vê, traz uma boa sensação no entanto logo ela se evapora no ar e deixa de brilhar e encantar. Isso pode ser interpretado como a representação da Menma na vida deles. Pode ser que eu esteja indo longe demais ou tentando enxergar coisas aonde não tem, mais não vamos negar o fato de que essa interpretação de certa forma tem algum tipo de fundamento e um pouco de verdade. Se pararmos para pensar tem algumas partes em que o animê tem certas mensagens subliminares, significados que realmente tem algum tipo de relevância. Por mais que tudo seja aparentemente muito bobinho e melodramático, toda esses acontecimentos pequenos tem alguma pista que te levaram para a questão chave, onde se você se atrever a abrir (interpretar) com certeza encontrará a mensagem principal nela contida. A luta contínua de desapegar á uma amizade verdadeira, ou esquecer o amor sincero.

 Os pequenos detalhes é o que mais me chamaram a atenção. Isso talvez seja o mais interessante da obra ao todo. Uma história tão simples mais com algo tão profundo, coisas tão diretas mais tão recheada de pequenos significados. É como um quebra cabeça, cada cena tem comunhão uma com a outra, suas mensagens vão se juntando como se fosse peças, e que ao todo você encontrará o real significado. E o foco não é a morte da Menma, nem a separação ou reencontro dos amigos ou algo parecido. Mais sim mostrar como é difícil seguir em frente. Relembrar é prazeroso, afinal você revivência o momento, entretanto com ela também vem o desespero em saber que nada daquilo existe mais, passou, acabou, nunca mais volta. Ficar preso no passo não é bom, mastigar esses sentimentos ruins que um dia já foram maravilhosos só trazem tortura. E é isso que o espírito vagante da Menma representou. Jinta teve sorte de reencontrá-la mesmo que só com sua alma. Nessas buscas de tentar ajuda-la ele só se afundou na saudade, ao qual o corroeram por dentro.
  É ou não é uma mensagem forte? ='(



   Pois é, não é qualquer pessoa que pode se identificar com Ano Hana. Por mais que tenha um significado muito profundo, talvez pela sua simplicidade ele não agrade tanto alguns. Ainda mais quando se tem um final razoável. Nada muito empolgante, e nem muito horrível. Terminou do mesmo jeito que começou, na mesma linha da inocência, do desprendimento, da lealdade á sua virtude simplória. Mesmo andando no caminho da dramaticidade exagerada acho inegável reconhecê-lo como algo forte. Foi nos episódios considerado 'meia-boca' que encontrei a sua força. Nos seus pequenos gestos vi as mais lindas mensagens da vida. Foi na sua fragilidade que encontrei o seu peso. Na sua delicadeza encontrei algo amargo, que é a triste verdade de dizer adeus á algo puro e verdadeiro, á tortuosa luta ao desapego.
  Agora eu sei o nome da flor que vi naquele dia.


 '' Ah, as férias de verão acabarão cedo
    O sol e a lua estão sendo amigáveis
    Tão triste, tão sozinho ...
    Nós brigamos bastante também
    Na nossa base secreta...
    Então só com isso será para sempre, como num sonho
    Eu sabia até o fim
    Você berraria do seu coração ''muito obrigado'' 
    Segurando as lágrimas para dizer ''adeus'' com um sorriso ....
    É triste as melhores lembranças. 

   As melhores lembranças  (....) ''


 Observação: Fiz o post quase chorando =P

6 comentários:

  1. Eu comecei a assistir a um tempo atrás esse anime,e assisti 3 episódios e achei tão sem sal,algumas situações pra criadas pra emocionar achei algumas forçadas, mas após ler a sua resenha me fez pensar diferente, eu acho que vou realmente dar chance novamente, mas com um outro olhar, e a pergunta que não quer calar, kkkkk, chorou no ultimo episódio? assim como diz a lenda de facebook? kkkkkk, é um fato curioso, eu assisti o final antes de assistir de fato, um spoiler tremendo, mas não ligo pra essas coisas, e na época que vi, achei bizarro, kkkkkk, na boa se um amigo meu morresse, não iria querer que seu espirito me visitasse não, kkkkkkkkk mas acho que fui assistir com a cabeça errada, acho que vou dar 2ª chance pra ele, e excelente post, como sempre, parabéns.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Haha fiquei um pouco comovida mais não cheguei no ponto de chorar. E ele é assim mesmo, bem simples mais ele tem uma mensagem bem forte. Teve um final razoável, nada espetacular e nada também muito horrível, poderia ter sido melhor desenvolvido porém nada que atrapalha a série ao todo. Fiquei com o coração na mão T.T

      Excluir
  2. Gostei da resenha! Muito bem escrita! Confesso que "caiu um cisco no meu olho no final" mas não tinha parado pra analisar desta forma. muito coerente seu ponto de vista! Sou fã desde genero de anime e nao encontro nada melhor. Já vi 5 cm por segundo, anu natsu matteru e Natsuyuki Rendezvous , que são os mais parecidos com ano hana na minha opiniao. Conhece algum outro pra recomendar?

    Parabéns pelo texto! :D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, fico feliz que tenha gostado da postagem! ^-^

      Bom, ao contrário de você, eu não sou muito ligada a esse gênero e não tenho nenhum em mente pra te recomendar, eu acho que Ano Hana foi o meu primeiro contato com esse estilo (pelo o que eu me lembre), e pra ser sincera gostei bastante da proposta do animê. Vou conhecer mais sobre o gênero pra trazer várias recomendações aqui no blog.

      Obrigada mais uma vez o/

      Excluir
  3. Devo dizer que a forma como você apresentou esse anime como a dor que é desapegar do passado realmente mudou minha visão dele.
    A forma como nos ligamos a lembranças prazerosas e felizes do nosso passado, nos machucando no presente, não aceitando a perda, por acreditar que levaria ao esquecimento, não só o temor de esquecer daquilo que gostamos, mas também de lembrar que como aquilo também podemos ser esquecidos.

    Estranho como essa visão me leva diretamente para outro anime de grande repercussão, Angel Beats, que com uma temática um tanto próxima, estar preso ao passado, a assuntos não resolvidos e assim ganhar uma nova chance de superar e seguir em frente.

    A coragem e a força necessária para crescer, sem se prender, mas também sem esquecer, ter essa força para se tornar adulto é realmente algo difícil, mas ainda mais difícil e não deixar essas lembranças se perderem, por que quando elas se vão então verdadeiramente encontramos a morte de algo especial.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu até tinha um certo receio em ler algo desse tipo, até porque não sabia que um tema desse pudesse se desenvolver de forma atraente, depois que assisti Ano Hana essa visão mudou totalmente.

      Sempre é interessante ver um animê desse porte,tanto para tomar como um reflexo ou por puro entretenimento. Valores que não se perdem, mais que falam de forma absurda se forem vistos com a mente receptiva.

      Obrigada pelo coments o/

      Excluir