sexta-feira, 7 de março de 2014

Wolf's Rain - a luta dos lobos pela sobrevivência


AAAAAAAAAAAAAAUUUUUUUU !!

Escrito por Keiko Nobumoto - mais conhecida por ter roteirizado Cowboy Bebop e Tokyo Godfathers - e dirigido por Tensai Omura - onde mais tarde dirigiria um outro trabalho original para o Estúdio (Darker Than Black), com trilha sonora composta pela diva Yoko Kanno, e ilustrado por Toshitsugu Lida, Wolfs Rain é um anime do Estúdio Bones transmitido em 2003 na Fuji TV, que teve 26 episódios e mais 4 OVAs ao todo.

O plot básico da série é genial. E não estou puxando saco só porque se trata da mesma roteirista de Cowboy Bebop não, a verdade é que, a sua premissa se trata de algo extremamente direto, por mais que o anime tenha se ''perdido'' no meio do caminho. O estúdio Bones desta vez aposta numa realidade alternativa, onde acreditava-se que os lobos estavam extintos a mais de 200 anos, apesar de uma antiga lenda contar que, quando o fim do mundo estivesse próximo, o Paraíso apareceria em algum lugar da Terra, mas somente os lobos saberiam como encontrá-lo. 

A história segue os passos dos jovens lobos Kiba, Tsume, Hige, Toboe  (que sobrevivem se disfarçando de humanos, como uma forma de ilusão) que estão á procura por esse paraíso. 
Eles procuram até o dia em que Kiba, um lobo branco, chega em Freeze City, atraído pelo aroma de uma Flor da Lua, cativa em um laboratório dirigido pela doutora Cher Degré. E qual seria a importância dessa Flor da Lua para os lobos? Nada mais nada menos do que a chave para o Paraíso, lugar em que sua espécie possa viver em paz e liberdade.

Mas nada é simples, e a Flor da Lua, Cheza, é levada por Darcia, um dos misteriosos Nobres que vivem isolados do restante da humanidade. Agora Kiba precisa resgatá-la, junto de outros lobos: Hige, Tsume e Toboe. Há também um sub-enredo envolvendo elenco humano, que inclui a busca incansável de Cher por Cheza, seu ex-marido apaixonado que fará tudo para protegê-la e o velho caçador Quent e seu fiel cão de olhos azuis, todos envolvidos na busca pelo Paraíso.

Ai começa o pontapé inicial para um bom dramalhão, ambientado num mundo pós-apocalíptico, e recheado de perguntas reflexivas, tanto para os personagens, como para o telespectador.



Como eu disse anteriormente, o básico da história é genial. Os princípios e questões que foram colocados em jogo, é algo que de cara me ganhou muita simpatia e vou explicar o porque. Primeiro que a série já cumpre com eficiência aquela regra básica de não tratar o público como idiota. Só por isso o anime já ganhou um ponto comigo, porque história que quer deixar tudo minimamente tudo bem explicadinho acaba cagando todo o suspense, e todo o Q.I que mais tarde despertaria em quem está assistindo. Por mais que o roteiro nos entregue um mundo bem direto e bem fechado para maiores intervenções, a história abre brechas para que a curiosidade aguce, e isso é ótimo. O que seria o paraíso?  Quais são as verdadeiras intenções dos protagonistas? eu acredito que são esses tipos de questões é que foram o grande combustível da série, e que por sinal foram concluídas razoavelmente bem.

Eu digo razoavelmente porque os personagens demoraram muito pra se desenvolver. Pra você ter uma ideia, o Tsume que de inicio se mostrava alguém inflexível e nenhum um pouco simpático só foi de fato ganhar algum tipo de crédito comigo quando seu passado veio á tona, e quando o seu verdadeiro eu foi revelado, ou seja, mais pra metade do anime. Enquanto essa outra metade não chega, você fica se perguntando, quem é Tsume? mesmo que o suspense seja algo bom, essa falta de identidade chega a incomodar um pouco. Por outro lado, Toboe que de começo de conversa tinha o passado mais clichê possível, veio me convencer logo no final que ele era a pessoa que mais tinha uma convicção plausível daquilo de quem ele realmente queria.  Não vou dar spoiler mas, Toboe é aquele que teve o desfecho mais lindo de todos, não só por não fugir em nenhum momento de seu sonho, como também por provar que mesmo sendo animal, ele era o mais humano de todos. Já Kiba e Hige vão aos poucos ganhando destaque e acabam se relacionando bem com os outros dois. Analisando eles como um todo dá para se afirmar que  a relação deles foi algo muito dinâmico.



A narrativa que o diretor constrói é algo que é mais centrado nos diálogos do que na ação. Por conta disso o ritmo pode cansar em alguns momentos, pois o anime é movido á base de bastante informação. Em compensação, quando aparece algum confronto, as cenas são extremamente bem executadas. Os gráficos são excelentes, o tom das cores dos cenários estão de acordo com a proposta do contexto, e os lobos (bem como todos os demais personagens) estão muito bem caricatos, suas expressões estão o mais realista possível, e a trilha sonora .... ahh a trilha sonora ... érr, bom,  vocês já devem imaginar. Todas as músicas de Wolf's Rain foram compostas e tiveram arranjo de Yoko Kanno, ou seja, seria impossível a trilha sonora passar abatido por mim.  O grande destaque são as canções de diferentes estilos em várias línguas. Ao longo da série, existem diversas sequências muito interessantes usando essas canções como fundo. Inclusive uma delas chamada "Coração Selvagem" é cantada em português. Tim Jensen acertou em cheio ao compor a canção de abertura denominada ''Stray'', pois a letra diz muito sobre a série, e isso deu um resultado ótimo. Dou destaque também para o encerramento, Maaya Sakamoto deu um show de interpretação na canção ''Gravity'', e terminava cada episódio com chave de ouro. 



Deixando de lado um pouco a parte técnica e voltemos para a história. Como eu disse no inicio, Wolf's Rain se trata de um dramalhão. Mas um dramalhão muito bem pensado. Aqui não existe alívio cômico por parte de ninguém, e se teve passou totalmente desapercebido. A grande luta pela sobrevivência toca em temas muito complexos como solidão, rejeição, e egoísmo. No entanto, todas essas características são mostradas o mais delicado possível, que chega ser algo um tanto que oculto aos olhos de quem vê. Eles não dizem, eles não demonstram na maior parte do tempo, mas essas questões estão ali de fundo o tempo todo, e isso contribuiu e muito para uma história bastante natural, travando consigo qualquer chance do clichê forçado dar as caras. As peculiaridade psicológicas são desenvolvidas muito calmamente, mas a medida que o final se aproxima, as coisas vão aumentando gradativamente, até que chega o grande BUUM da história, pela qual será o assunto que irei abordar agora.


O que seria o paraíso para você?

Vou dizer uma coisa, o gran finale de Wolf's Rain é um dos mais complexos e distorcidos em que eu já vi. Compensou qualquer coisa desnecessária que tenha aparecido no decorrer do caminho (Spoiler -como por exemplo a hora em que Tsume, Toboe e Hige estão a procura do Kiba e de repente encontra m com alguns índios americanos no meio de um cenário totalmente aleatório, além de ser algo que contradiz totalmente com o roteiro,  aquilo não acrescenta nada pra história - Fim dos Spoilers). Aguentar os fillers de recapitulação é algo que também entra na listinha de coisas desnecessárias, mas enfim, por mais que o ritmo tenha se desandado no meio do caminho por alguns detalhezinhos meio bestas, acredite, Wolf's' Rain consegue contornar a situação nos presenteando com situações mais ágeis e um valor sentimental sem tamanho. O tema sobrevivência começa a chegar em seu ápice, como também o lado mais emotivo dos personagens, exaltando todo tipo de simbolismo entre a relação do ser humano com o animal de forma mais natural possível.

Daí, quando chega nos finalmente, o paraíso é revelado, e assim mais questões ainda vem a tona. WHAT? é isso mesmo. Não quero entregar nada aqui mas, o que eu posso dizer é que, o autor deixa algo em aberto, para que o próprio público escolha o final mais ideal. Eu acho lindo quando surge esse tipo de brecha, pois além de dar um espírito totalmente reflexivo para nós, ainda podemos desfrutar de diversas teorias, sobre os personagens, o ambiente, e todo o contexto do enredo. Não é que o final não apresenta nenhuma conclusão, mas é justamente o contrário. São muitas deduções juntas que acabam se tornando um único desfecho, que inclusive tem tudo a ver com a proposta do anime. Só digo uma coisa: foi sensacional, um dos melhores finais que já presenciei. 



Por fim, dou 4 naves para Wolf's Rain pois além de ter uma trama criativa, o final foi estupidamente perfeito, e casou de forma muito coesa com toda a sua premissa. Não dou nota 5 só pelo desenrolar dele, e por alguns detalhes terem sido desnecessários para a história, no mais é um ótimo anime para quem adora um drama fictício, como eu.           
                                                                                                                                                             Nota 4,0/5,0

Curta a Nave Bebop no  Facebook, e siga também no Twitter!




Nenhum comentário:

Postar um comentário