terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Comentando Death Parade episódio 03












Eu não ia comentar esse episódio, mas gente, como assim eu não reparei o ''óbvio''?


Era meio óbvio que Death Parade iria nos surpreender com um episódio leve como esse, tendo em vista o que aconteceu na semana passada. Por mais que a série tente nos passar um clima sombrio - percebe-se pelo uso de palestas dark no cenário -  Death Parade não é pra ser levado por esse lado. Sim, você não leu errado. Soa meio contraditório, mas ainda estou confusa quanto ao que essa série quer dizer. Perceba que na estréia teve várias reviravoltas, sangue, gritos, e muito mistério pairando no ar. O segundo tentou nos explicar o que todo mundo já tinha entendido, no entanto, o que realmente era pra ser explicado ficou faltando. O que Death Parade é afinal? um anime que quer explorar relações humanas? crenças religiosas? ou apenas quer usar um pouco de tudo tendo como capa o thriller psicológico? Não sei. Até alguns minutos atrás eu acreditava nessa terceira opção. Mas depois desse episódio, algo em mim mudou em relação a esta série.

Sim, eu estava esperando um episódio mais ou menos parecido com o primeiro. No entanto, isso não muda o fato de que eu tenha gostado muito do rumo inverso que este tomou. Isso até pode parecer estranho, afinal, normalmente, quem quer ver muito uma coisa mas na verdade acaba vendo outra, gera decepção. E essa não é a palavra certa pra definir esse episódio.  O que me faz parar tudo o que eu estava fazendo pra escrever essas linhas em plena madrugada, é o fato de que, Yes, eu entendi. Pelo menos, EU ACHO que estou entendendo Death Parade, mesmo que essa declaração seja dada um pouco cedo demais - dependendo do ponto de vista. Como estava dizendo anteriormente, era meio óbvio o que estava pra acontecer nessa semana. Afinal, o episódio dois foi muito mais neutro que o primeiro, preparando assim o ''terreno'' para esse episódio 3. Para alguns, até pode parecer mais uns 20 minutos de corta clima, mas para mim foi como uma mensagem dizendo ''OLHA, A GENTE SABE O QUE QUER MOSTRAR, OLHA SÓ O QUE ESTAMOS FAZENDO VOCÊ SENTIR''. Não, eu não chorei com o episódio (até porque acredito que não era pra tanto), porém, apreciei muito quando percebi o quanto a história me deixou imergida no sentimento, não dos personagens, mas sim do conjunto todo. Eu não vou entrar em questões técnicas, meu foco não é esse. O que eu quero dizer é que, a série sabe exatamente chamar qualquer tipo de sentimento em nós telespectadores. Quando quer nos deixar agoniados, taca-lhe pau torturando dois personagens que acabamos de nos simpatizar. Quando quer nos deixar confusos, bota diálogos cheio de reviravoltas. Quando quer nos deixar mais próximos da história, tasca algumas explicações contendo mais alguns suspensezinhos pra nos deixar curiosos. Quando quer nos deixar entusiasmados, coloca personagens principais se relacionando bem. Quando quer nos deixar relaxados e sentimentalizados, ponha um romance proibido. Entende o que quero dizer? Essa audácia de querer impor sensações até então ''novas'' para nós, é de um afoitamento maravilhoso. Essa quebra de paradigmas que aos poucos a própria série foi criando na minha mente, traz um choque que é uma coisa muito boa. E é isso que eu quero numa série. 























Por favor, não quis dizer que isso é uma coisa forçada. Não é um sentimento que a série impõe a tapas em mim, mas sim, um sentimento recíproco. Natural. Que surge com a espontaneidade dos acontecimentos. E eu acho que os episódios que se seguiram em Death Parade vai sim, ser igual ao primeiro. Mas não no estilo ''sangue no zóio'' que eu estava imaginando, mas sim no estilo ''vamos jogar um jogo de dardos''. O clima do episódio será na onde parar a sua ''flechinha''. Por isso, chego na conclusão que Death Parade será imprevisível. Pode ser que possamos desconfiar de um episódio calmo, para um mais cheio de ação, e vice e versa, mas acertar poderá ser um desafio e tanto. No máximo vai ser como eu ''poxa, como não vi o óbvio?'', ''Realmente faz sentido essa narrativa''. 
P.S = A não ser que você seja um fodão pika das galáxias que tem uma bola de cristal, se for o caso, desculpa ai AEHAUHEUHEUHEUA. 

Brincadeiras à parte, ainda tem mais algumas coisinhas pra comentar antes de eu encerrar esse post, não quero me estender muito no assunto. Eu gostei muito da flexibilidade que o episódio apresentou, porque isso dá muita brecha para a narrativa se expandir, e isso é bom. Também foi bom que tenhamos visto um outro lado do Dekim, mostrando ser um personagem frio porém bastante humano, isso me faz gostar ainda mais dele. E arrisco dizer que os episódios vão tentar deixar isso cada vez mais evidente. Essa é uma série que me faz pensar em um monte de coisa, mas seria impossível descrevê-la em seus mínimos detalhes, então deixo aqui meus pensamentos mais superficiais. No mais, Death Parade me permite sentir e respirar o sentimento dos seus personagens, mesmo que ainda, eu não saiba o que Death Parade quer dizer ao todo. E sinceramente, nem quero descobrir agora. Quando acabar os episódios eu volto aqui e  tento responder essa pergunta novamente.

_________________________________________________________________________________

Fique sabendo das próximas postagens da Nave Bebop, curtindo a nossa página no Facebook e seguindo também no Twitter caso ainda não tenha feito. Até a próxima!


Nenhum comentário:

Postar um comentário