sexta-feira, 24 de abril de 2015

A genialidade Musical de Yoko Kanno




Eu definiria a trilha sonora de Yoko como um pedaço de sentimento que falta para os animes ficarem completos em sua plenitude. A alma do esqueleto.


Entre os mais prolíficos compositores de anime, Yoko Kanno se destaca como uma das mais amadas e procuradas compositoras da indústria. Suas obras são particularmente notáveis para cobrir uma área enorme de gêneros, e em muitos estilos. Provavelmente o seu trabalho mais famoso seja com o Jazz em Cowboy Bebop, pelo fato de que; foi um dos primeiros trabalhos extensos de Kanno, além de ser o estilo em que ela mais se deu bem. Fora suas obras de anime, ela compôs música para comerciais, filmes live-action, e também para diversos jogos. Por fim, ela também é uma excelente compositora J-pop, cujos trabalhos foram realizados por artistas de alto perfil como Maaya Sakamoto, Crystal Kay, Aki Okui e, mais recentemente, May'n e Megumi Nakajima na mais recente edição da franquia Macross.





De todos os compositores de anime que já cruzaram os nossos caminhos, nenhum é mais coberto com uma aura de mistério que Yoko Kanno. Apesar de ter composto tanta música para anime (última contagem era algo em torno de 37 séries e filmes, incluindo OP e temas ED), não se sabe muito sobre ela, além de um breve vislumbre aqui e ali do que outros artistas e diretores têm a nos dizer sobre ela em entrevistas. A forma como ela conduz a si mesma é melhor descrito como excêntrico, com uma personalidade vivaz (semelhante ao Ed de Cowboy Bebop) e uma tendência a esconder seu talento cantando.

Nascido em 19 de março de 1964, Yoko Kanno cresceu com a música. Ela começou com o piano quando ela era muito jovem e, crescendo, ganhou muitos prêmios em competições de instrumento. Kanno também teve uma sensibilidade para compor a partir de uma idade precoce; entre suas primeiras composições está uma canção que ela escreveu para um menino que gostava no ensino médio. Apesar de seu interesse pela música e composição em geral, ela tinha aspirações a ser uma romancista e foi para a faculdade para estudar literatura japonesa. Mas, não demorou muito para Kanno voltar atras com sua decisão; uma semana depois ela desistiu da faculdade e voltou a tocar. Logo depois, Yoko fez sua estréia musical profissionalmente como tecladista da banda TESTU100%. Foi de lá que ela ganhou força e reconhecimento por seu trabalho com o grupo, e começou a receber ofertas para compor em comerciais e videogames.


O primeiro trabalho de Kanno no mundo dos animes foi em arranjar o tema de encerramento do Studio Ghibli Porco Rosso.  Depois sua música fez parte do anime Please Save my Earth, em 1994, onde muitas de suas composições foram realizadas pela Akino Arai. Embora ainda não havia se estabelecido como compositora de trilha sonora, ela fez deixar o público estagnado com o tema memorável "Memory of Time", que iria receber um tratamento instrumental comovente em "The Eternal Spiral". Além disso, foi através desta música que Kanno estaria familiarizada com o colega compositor Hajime Mizoguchi, que mais tarde tornaria seu marido e companheiro que ajudaria na colaboração de trabalhos futuros. 



Macross Plus - MYUNG Theme

Não foi em Macross que Kanno realizou um trabalho por si mesma, mas seria com este OVA que ela entraria na onda mainstream. 

A trilha sonora teve um papel fundamental na série, e tornou patrioticamente várias músicas estonteantes como ''Hinos Nacionais do Macross'', bem como o sereno e introspectivo "MYUNG Tema", ao qual também repetiu uma sequência natural para a ending Please Save My Earth.
Iria sem dúvida, influenciar um resultado importante para seu trabalho em Escaflowne.




Magnetic Rose - End

Kanno marcou o primeiro Magnetic Rose de 1996, com a OST Memories. Para combinar com o tom sério e intenso de Magnetic Rose, Kanno chamou uma profunda ópera cânone de inteira inspiração, que acabou resultando em faixas como "End", bem como a Madame Butterfly do compositor de ópera italiano Giacomo Puccini. Mas, assim como o ano de 1996 vai, Magnetic Rose seria quase insignificante. Pelo menos, ao lado de um de uma série gigante de anime que foi ao ar durante o mesmo ano.



Escaflowne - Angel

Escaflowne, lançado em 1996, foi um ponto de referência para o trabalho de Kanno em um número de escala absurdo. Primeiro, ele marcou como o primeiro trabalho em que Kanno fez em conjunto com Maaya Sakamoto, uma artista com quem ela iria encontrar-se trabalhando em muitos projetos futuros. Em segundo lugar, ela iria se juntar com Hajime Mizoguchi mais uma vez. Ela estaria muito mais envolvida e solta do que quando trabalhou na canção Please Save My Earth . A fama de Escaflowne é conhecida por seus gêneros ecléticos, abrangendo canto clássico, contemporâneo / experimental, e até mesmo em estilo gregoriano. Kanno iria compor a maior parte deles, trazendo temas memoráveis como "Dance of Curse" e a encantadora "Angel". Mesmo que Mizoguchi tenha roubado a cena em compor o edificante "Gloria", ainda assim, as obras dos dois compositores juntos, contribuiu pra que que Escaflowne tivesse a melhor trilha sonora do ano.




Brain Powerd - Power of the Light

Enquanto trabalhava em Escaflowne, Kanno também contribuiu em pequenas participações em outros animes nessa época, incluindo X Clamp Characters e Clamp School Detective. Ela também colaborou com Production I.G. no curta-metragem Noiseman Sound Insect em 1998. 

Este ano de 1998 foi um tempo de trabalhos extensos para Kanno, os temas de abertura de Record of Lodoss War: Chronicles of the Heroic Knight e Sakura Cardcaptor vieram pousar em sua lista de projetos. Um retorno à franquia Macross também seguiu, com a "Angel Voice" para Macross Dynamite 7.

Sutis orquestrações complexas e toques criativos impressionaram todos os ouvintes. Embora o anime em si tenha recebido críticas mistas, Brain Powerd não foi um anime de enorme sucesso, mas a OST recebeu um valor duradouro. "Power of the Light" foi um dos destaques, chocando-nos com a capacidade de Kanno para compor algo tão complexo e intrincado sem treinamento formal. A canção se move a uma velocidade vertiginosa e é uma reminiscência de algumas peças ultra-modernos, dirigindo em direção a um final macio, emocional. É considerado como uma das obras mais subestimadas da Kanno; mas culpar o anime por ter tido um retorno baixo pode trazer uma sombra para o valor que ele realmente tem.


Cowboy Bebop - Tank!


Mas nada - absolutamente nada - poderia se comparar com o anime  de 1998, que não era outro senão Cowboy Bebop , onde foi sem dúvidas o maior e mais abrangente trabalho de Kanno. A trilha sonora para esta série disparou Kanno para perto do super-estrelato na ''comunidade'' dos animes. Nunca antes um compositor foi tão crucial e amorosamente associado com sucesso à uma série de tv. Mas não foi só com Tank! que a inspiração no jazz se tornou presente nas trilhas sonoras de Kanno, ela também desenvolveu um papel importante e fundamental em muitas outras, desde essa música de abertura ''Tank!'' como também à de encerramento '' The Real Folk Blues''.

Foi também particularmente notável o alcance que essa trilha sonora teve. Pessoas que nunca tinham visto o anime ou sequer ouvido falar de Cowboy Bebop encontraram-se encantados com a energia nas músicas compostas por Kanno. Em termos de sucesso mundial e apelo universal, poucos compositores de animes chegaram na mesma façanha que Kanno em Cowboy Bebop.




Cowboy Bebop: Knockin’ on Heaven’s Door – Ask DNA

Kanno voltaria a Bebop mais uma vez para o seu segundo ano de execução no filme Cowboy Bebop: Knockin' on Heaven's Door. Embora ainda fortemente enraizada no jazz, a trilha sonora de Knockin'on Heaven' Door se inclinou mais para os vocais e tinha um ar de funk americano muito claro. É geralmente considerado como uma excelente complementação para a OST do programa, que se centrava mais em torno do som instrumental.


Gundam – Memory of Military Boots

Cavalgando na onda de sucesso, Kanno voltou para os mechas, tornando-se ainda mais a franquia Gundam em sucesso. Das faixas que brilhou, nenhuma se destacou mais do que a "Memory of Military Boots'', um tema glorioso que nos lembrou do por que ela é muitas vezes comparado a John Williams. Por outro lado, ela também entregou a pungência e a sensação introspectiva através da "Moon" o tema que transmitiu uma maravilhosa sensação de leveza até o ouvinte. Essas faixas orquestrais  mais uma vez, mostraram do que Kanno é capaz.




Earth Girl Arjuna - Clóe

Todos estes sucessos deu-lhe para Kanno mais espaço para experimentar, permitindo assim que ela levasse muita delicadeza com a Earth Girl Arjuna, onde ela entrega seu ponto de vista interessante sobre a música indiana através de um som mais moderno. Foi ainda mais evidente na segunda faixa, "Awakening", que incluía alguns cânticos realmente estranhos com harpas. O sentido do drama ainda existia, mas em termos de ele ser convencional certamente não era. No geral, os tradicionalistas eram atraídos pela lunático, faixas como "Cloé", conquistava os ouvidos daqueles que procuravam por algo diferente. É mais experimental do que a maioria de suas obras e, portanto, a capacidade de tolerar esta ''bebida'' eclética de cânticos com harpas, vai da sua capacidade em tolerar novos sons.


Ghost in the Shell - Torukia

A experimentação continuou com Ghost in the Shell onde Kanno se envolveu em gêneros mais modernos, mais notavelmente, techno, trance, e rock. O objetivo da Kanno era trazer um charme humano para Ghost in the Shell  e ao mesmo tempo bastante cibernético. O que quer que as impressões que se pode ter sobre a abertura CG, não há dúvida de que a música  da OP intitulado "Inner Universe" e cantada por Origa, fez uma entrada sólida que imerge o espectador nesse futuro mecânico, enquanto outras faixas, como a  "Torukia" ampliou o escopo do que significa ser humano através de seus vocais, que passaram de um canto tribal à um coro completo.


Wolf's Rain - My Little Flower

No Wolf's Rain, Yoko Kanno fez um retorno à orquestra como um meio para trazer para fora os momentos de ternura e euforia da jornada dos personagens, trazendo  clássicos orquestrais arrebatadores como "Shiro, Long Tails" e "My Little Flower". Mas, de acordo com ela, Kanno continua a explorar outros gêneros musicais e suas descobertas tem à levado para ritmos diferentes. 


Sousei no Aquarion - First Love, Love End

Depois foi a vez de Sousei no Aquarion, um anime bastante despretensioso. No entanto, a trilha sonora era não era nada bobinho e apresentava uma trilha sonora em que Kanno dava o que tinha de melhor. Mais uma vez temos peças orquestrais formando a base do álbum, mas, enquanto a mistura de piano, cordas e orquestra continua a brilhar, as obras corais, os quais não foram apresentados como destaque em dezenas de Kanno desde Escaflowne, fez uma retornada triunfante, dando um ar de majestade para as lutas mechas que aconteceram. De todas as peças orquestrais que apareceram no anime, nada brilhou completamente como "First Love Love final", uma peça que incorporou orquestra e coro em uma combinação gloriosa.



Darker Than Black - High Heels Runaway

Darker than Black era outro exemplo onde os experimentos de Kanno em outros gêneros se reuniu com reações mistas. Estilisticamente, a metade da música era jazz de improvisação com um sabor espanhol ou latino. "Highheel Runway", por exemplo, poderia muito bem ser uma animada bossa brasileira. A natureza atmosférica de improviso também é um trabalho elogiável como os ritmos jazzísticos utilizados em Cowboy Bebop.


Macross Frontier - Tally Ho!

Apesar de seu registro misturado com DTB, Kanno fez um retorno triunfal em sua trilha sonora para Macross Frontier, que recapturou o som orquestral que ela encantou a muitos. Aqui ela emprestou de muitos compositores ocidentais (principalmente a intensidade de Hans Zimmer e a majestade de John Williams) sua conduta sonora. Ela ainda presta homenagem ao ex, citando Piratas do Caribe em "Tally Ho!" No entanto, as músicas são claramente sua própria identidade mesmo contando com a potência e versatilidade de uma orquestra. Muito poucos animes pode gabar-se de uma trilha sonora com músicas como "Take Off", que recriam a habilidade de Kanno de forma magistral.


Wolfs Rain - Gravity

As músicas mais emblemática de suas obras, provavelmente, são as realizados por Maaya Sakamoto e, mais recentemente, May'n. Como disse acima, a colaboração de Kanno com Sakamoto datou todo o caminho de 1996, com o single Yakusoku Wa iranai para Escaflowne. A voz gentil de Sakamoto prestou excelentemente para muitas das obras de Kanno, com os mais memoráveis, incluindo "Gravity" de Wolfs Ran. "Gravity" é especialmente triste, com um sentimento de incerteza provocada pela expressão de Sakamoto e o acorde de piano repetitivo tamborilando a monotonia desesperadora de tudo. Não se pode fazer justiça à canção com palavras; é uma música que consegue a proeza rara de atingir diretamente os corações por meio da composição e performance que transmitem as emoções de maneira sublime. 




Macross Frontier - Lion

Enquanto Sakamoto traz a sensação mais relaxante e introspectivo para as obras de Kanno, May'n brilha nas peças de pop-rock. Com uma voz bastante fina, May'n brilha em faixas mais rápidas, onde se pode sentir a sua paixão pulsando através da música (e mais ainda durante as suas excelentes performances ao vivo).



Faz um bom tempo que esse texto estava nos rascunhos, e certamente, escrever sobre a Yoko Kanno foi uma tarefa muito difícil para mim. Talvez não pelo fato da busca por informação, até porque, hoje em dia, buscar informação nunca esteve tão acessível. Meu amado Wikipédia me ajudou nessa missão, além dos sites Anime Instrumentality , James Wong’s site , e Gabriela Robin fansite , que me forneceram informações e links preciosos. Mas talvez esse receio tenha ficado por conta do medo de não achar as palavras certas para descrever Yoko Kanno como ela realmente merece. Como fã, isso é algo que sempre vai pesar sobre os meus dedos na hora de escrever. Sei que deixei mais algumas músicas de fora para comentar, mas ficaria um post muito longo. Espero que essa matéria tenha ajudado você a conhecer um pouco mais sobre ela, e tenha despertado o interesse em conhecer também outros trabalhos que não citei aqui. 

Muito eu poderia dizer sobre Yoko Kanno, mas nada seria tão importante como escrever um relato pessoal. Tenho um carinho todo especial por ela por causa de Cowboy Bebop, e  por conta disso, eu não nego que fui ver outras séries só porque era ela que tinha feito a trilha sonora. Sei que existem também muitos outros compositores de animes muito bons quanto ela, porém, Yoko sempre ocupará um espacinho maior no meu coração. Explicar o porque que gostamos de algo sempre é uma tarefa difícil. E eu sinceramente não sei como fazê-lo. Yoko possui grandes canções, o que para qualquer compositor é um resultado que traz orgulho. Sua diversidade em gênero é um grande atrativo para vender o seu trabalho para diversas séries, isso não tem outro nome à não ser: profissionalismo. Ser considerada a ''John Williams das músicas de animes'' não é nenhum equivoco, e muito menos um termo pra se referir como a ''copiona''. Pelo contrário, Yoko entra no campo musical de Williams, e cria a sua identidade de forma honesta e admirável. Talvez isso explique um milésimo do porque admiro tanto seu trabalho.

 ______________________________________________________________________________

Não se esqueça de curtir a página da Nave Bebop no Facebook e seguir no Twitter pra estar por dentro das novas postagens. Comentários são super bem vindos sz Até mais Cowboys!

Nenhum comentário:

Postar um comentário