sexta-feira, 24 de junho de 2016

Bungou Stray Dogs - Literatura e máfia com bom humor

Eu sei, literatura, máfia e humor não combinam na mesma frase. Mas é Japão né gente ...

Quando vi o trailer na hora de lançar minhas apostas da temporada, automaticamente me apaixonei. Desde o começo, eu sabia que não seria nada novo. A animação não possui nada de irreverente, o mesmo pode se dizer da sinopse. O que se sobressaltou, foi a sensação de ver o mais do mesmo bem feito, com um charme à mais. 

O mangá é lançado na revista Young Ace (o mesmo de Blood Lad) e não é assim tão destacado na Oricon. Escrito por  Kafka Asagiri e desenhado por Sango Harukawa, a obra original foi lançada em 2012, constando ainda em publicação, com 9 volumes finalizados ao todo por enquanto. Pertencente a demografia Seinen, O anime é dirigido por Takuya Igarashi (já trabalhou em alguns episódios de Mushishi, Soul Eater, Futari wa Pretty Cure entre outros), roteirizado por Yōji Enokido (Captain Earth, Star Driver, Neon Genesis Evangelion), e conta com a animação do estúdio Bones, que despensa apresentações. A trilha sonora é composta ainda por Taku Iwasaki, o mesmo do Jojo de 2012, Gurren Lagann, Soul Eater, Noragami, e muitos outros animes de sucesso, que se eu escrevesse tudo aqui, tomaria muito tempo (se a curiosidade é intensa, você pode conferir a lista completa aqui). Vale ressaltar que o anime teve 12 episódios, e está previsto para retornar com mais 12 episódios em outubro ainda deste ano.

Mas, do que se trata Bungou Stray Dogs? Pegue uma pitada de referencias à autores famosos do Japão da literatura policial/investigativa e de mais alguns ingleses, coloque uma xícara de humor jovial, duas colheres de violência, easter eggs de livros que provavelmente você não leu (afinal são japoneses), um copo de lutas sobrenaturais extremamente maneiras, mais um tantinho de clichês. Misture tudo no caldeirão do hulk e coloque no forno. Deixe crescer por 12 semanas. 


Eu não gosto do plot de BSD, até porque ela é tem gostinho de tanto-faz. Porém, ela tem um bocado de boas intenções. Começando pelos responsáveis (diretores e etc), pela temática, pelas referencias, pelo designer tanto dos personagens como do cenário, da animação bem feita do estúdio Bones, enfim, toda a pretensão do que podia ser. 

Acompanhamos então inicialmente, a vida de Nakajima Atsushi, um garoto expulso de um orfanato, que não tem para onde ir, além de estar com uma fome de tigre (só os fortes pegam a piada). Quando ele fica perto de um rio refletindo sobre sua situação de vida, ele resgata um homem que havia cometido a tentativa de suicídio. Esse homem, é Dazai Osamu, parceiro de vários outros membros de uma agencia de detetives com poderes, que lidam com casos bem perigosos para a polícia e as forças armadas. De algum jeito, Nakajima irá ter um papel importante dentro dessa agência, que por sinal, todos possuem as características de escritores famosos do Japão, como o Doppo Kunikida, Atsushi Nakajima, e o próprio Dazai Osamu, além de carregar a referencia clara no nome.


Bungou Stray Dogs me lembrou Kekkai Sensen - anime este produzido pelo mesmo estúdio, com a mesma quantidade de episódios. Além do designer de personagens serem igualmente bonitos e um pouco fora do comum, a base da história possuem quase a mesma vibe. Da mesma forma como lá,  o Leonardo Watch entra para a organização Libra afim de combater as criaturas paranormais, aqui em BSD, o Nakajima irá entrar para uma agência que combate mistérios da máfia através de super poderes dotados. Os dois protagonistas meio que entram nessas organizações sem querer, porém, acabam se envolvendo demais com o passar dos episódios. Fora o fato de que as duas séries possuem comédia com ação sobrenatural, e o clima ''sombrio'', dá pra se dizer que a similaridade existe, no entanto, não se percebe que a experiência é repetida. E de toda forma, não é. Por mais que a aproximação de plot seja evidente, não há a sensação de ver uma cópia, até porque cada uma possui uma identidade única que leva a história para outros rumos a partir de então.

Uma das características que distancia BSD de tantas outras obras similares como Kekkai Sensen, é que ele usa referencias literárias para compor seus personagens. Não que isso seja grande coisa, não é a primeira vez que isso acontece, inclusive, a última vez que vi algo do tipo foi com Rampo Kitan: Game of Laplace, onde homenageava o autor Edogawa Ranpo.  Entretanto, ver tantos autores com estilos diferenciados convivendo no mesmo universo, foi sim, uma ótima ideia. Ainda que poderia ter ousado mais nesse quesito, o entrosamento dos personagens mostra como seria louco esses escritores se tivessem conhecido e convivido uns com os outros. Poderia ter sido mais divertido, mas a intenção tá ali, e não foi de nenhuma forma ruim. Existe poucos momentos de glória em um diálogo e outro, e esses se salvam por si só. Mas friso novamente; existia potencial para ser mais.


Sobre a máfia do anime, nos episódios iniciais, tem uma demonstração crua da maldade dessas organização que choca quem assiste. Eu diria até que foi mais pesada do que o necessário, para uma série que estava construindo um clima descontraído com um humor muitas vezes bobo, foi uma surpresa e tanto. Mas de resto, é só isso mesmo. De 12 episódios, só teve duas cenas com violência mais pesada. As outras não causam tanto impacto muito menos a sensação de revolta, é no mínimo bem animado. As cenas de ação têm uma boa coreografia, e os frames conseguem empolgar na medida do possível. As cores muitas vezes soturnas, também ajudam no clima proposto, de sujeira e podridão. 

O vilão inicial, tem uma passagem não muito duradoura na série, visto que antes de chegar no final, o problema vai se transformando em outro. A motivação dele contra o protagonista é fraca ao meu ver, e o modo como é vencido não traz o impacto que deveria, mas o confronto é bonito. A segunda temporada já está confirmada, e pode ser que ele re-surja de algum jeito, mas eu não contaria tanto com isso. O foco deu a entender que realmente é outro, e que tudo o que vimos foi só uma demonstração de como funciona àquele mundo e seus personagens. 

Será que as coisas realmente vão ficar mais sérias? Ou vai continuar construindo algo que aparentemente não leva à nada? Eu não li o mangá e nem pretendo tão cedo, então, resta aguarda outubro para saber.

Falar o quê dessas posições que o Nakajima cai hein KKKK GESUIS






Bom, vou encerrando o post por aqui. No momento não lembro de mais nada relevante pra comentar, e eu estou querendo falar sobre outros animes dessa temporada que estão encerrando. Se puder, comente o que achou do anime, curta a página do blog no facebook e siga também no Twitter. Muitíssimo obrigada pela sua visita!

See you Cowboy ...

Nenhum comentário:

Postar um comentário