terça-feira, 19 de julho de 2016

91 Days - Comentando os 2 primeiros episódios


Apresento-lhes, o meu mais novo xodó.

91 Days contará a história do garoto Angelo, que viu seus pais sendo assasínados juntos com sua irmã, por causa que seu pai é envolvido em máfia. Porém, tudo não é tão clichê como parece. Angelo escapa por pouco dos assassinos que também o perseguiam, fugindo para a floresta, até conseguir chegar na casa de seu amigo Colteo. No entanto, ele foge no meio da noite, porque sabe que sua estadia ali causa enorme perigo para todos. 

Sete anos depois ele reaparece na casa do seu amigo Colteo, usando o nome Avilo, porque ele recebeu de algum modo do assassino de seus pais uma foto da sua irmã, atraindo assim ele novamente para a cidade Lawless. Dessa maneira, ele re-estabelece a amizade com o seu amigo, e o convence a vender sua bebida independente para um bar ali perto. Nisso, vemos um tiroteio lindo e o Angelo e Colteo acaba se aproximando mais no meio daquela confusão de dois rapazes. 

Sim, parece script de filme, mas é só o primeiro episódio de 91 Days.

Estou apaixonada por esse logo ♥
O primeiro episódio é sensacional. Eu sequer pude piscar os olhos. Senti uma mistura de Baccano com o Poderoso Chefão. Nem sequer teve cara de anime, porque parecia uma produção cinematográfica de Hollywood. Com o roteiro de Kishimoto Taku e a direção de Kabukari Hiro (trabalhou em Hoozuki no Reitetsu, Tonari no Kaibutsu-kun), o primeiro episódio é como assistir uma orquestra no ápice do concerto. Tudo é muito estrondoso, barulhento, chamativo e claro; hipnotizante. 

No entanto, não pense que tudo é dessincronizado por causa que tanta coisa acontece no primeiro episódio. O roteiro segue uma linha bastante inteligente, seguindo a fórmula de ''colocar o espectador num barco em meio à tempestade''. Somos levados para um destino desconhecido, e a única coisa que importa é a curiosidade. Aonde essa história vai parar? É isso que mantém os acontecimentos interessantes.

Olha o estilo do mafioso
Eu não sei você, mas eu achei o clima de 91 Days parecido com o do anime Monster. Ele é sombrio, frio e triste. Tanto em termos de visual, como em termos de história. A apresentação se faz ainda mais marcante, quando se lembra que não estava nem na metade do episódio ainda, e muita coisa já tinha acontecido (ainda que de fato não tenha acontecido taaaaaanta coisa assim). No entanto, ele tem o momento de respiro, de uma situação pra outra. Um exemplo claro disso, é quando a abertura cinematográfica invade uma situação trágica (que é o momento que Angelo vê a morte de sua família) dando assim, uma bela de uma acalmada nos ânimos. Aos poucos depois, o episódio vai ganhando força, até acontecer outro BOOM, e encerrar o piloto de maneira que atiça a curiosidade para o próximo. É lindo, lindo.

Não posso deixar de comentar, o quão brilhante foi a cena do tiroteio no bar. Me lembrou até uma de Cowboy Bebop, de tão tensa e amedrontadora. Também gosto do jogo de palavras e da troca de olhares raivosos, de como um sobressai o outro, seja de forma violenta, ou na conversa, que foi o caso do protagonista Angelo. À proposito, é interessante notar que ele não parece ser o ''fodão'' da história. Ele é sim, muito corajoso, mas está longe de ser perfeito em tudo que faz. E é isso que é mostrado no segundo episódio. Angelo aceita matar um mafioso, e ele não se sai tão bem como gostaria. Afinal, ele mesmo diz que nunca tinha matado antes, seria bem estranho se tudo saísse como planejado. Nisso, 91 Days consegue ser pé no chão. 

E falando em segundo episódio, é nesse que ele deixa de um pouco o tom vingativo, e foca bastante no tema de fundo que é a máfia. Foi impossível não lembrar de O Poderoso Chefão na cena do casamento. Legal ver a briga das famílias do crime - Vanettis, Orcos e Galassias - por causa de um conflito envolvendo cerveja. Eu só quero ver quando essa clandestinidade explodir a olhos nus. Mais ainda, quando o Angelo/Avilo perceber a cagada que é se envolver com essa gente perigosa, arrastando consigo seu amigo inocente Colteo. 

Evidentemente, o segundo episódio é ainda melhor que o primeiro. Não só por trabalhar bem o lado vingança e máfia da história, como também por apresentar maior qualidade como um todo. Com um plot twist ao término, 91 Days ainda nos presenteia com outro no teaser do próximo episódio. Eu ainda espero mais explosões mentais nas próximas semanas.

Gostaria de comentar mais, só que um anime desse porte requere mais episódios para argumentar com maior precisão. Embora tenha acontecido tanta coisa em pouco tempo - ou pelo menos dado a sensação para tal - não tem muito o que dizer. A animação está muito bonita, os cenários estão bem distintos, assim como a caracterização dos personagens. A trilha sonora também tem tido o seu destaque, ela sabe dar beleza para as situações de maneira satisfatória. 

Vou continuar assistindo, e espero que você também, caso contrário, estará perdendo um um grande espetáculo. Torçamos para que assim permaneça. 

Diretor: Hiro Kaburaki (Hozuki’s Coolheadedness, Kimi ni Todoke – From Me to You, My Little Monster)
Supervisor de scripts de série: Taku Kishimoto (Boku Dake ga Inai Machi, Haikyu!!, Magi: Sinbad no Bokuen)
Character Design: Tomohiro Kishi (Tonari no Kaibutsu-kun)
Música: Shōgo Kaida (Special A, Uragiri wa Boku no Namae o Shitteiru)
Produção de animação: Shuka (Durarara!!×2)
Informações via: Animexis.
________________________________________________________________________________

Curta a Nave Bebop no Facebook e siga também no Twitter pra ficar por dentro das novidades.

Nenhum comentário:

Postar um comentário