sábado, 10 de outubro de 2015

Primeiras Impressões da Temporada de Outono 2015






















Comentando 08 animes estreantes dessa nova temporada.

Dentre esses que comentarei, pretendo acompanhar apenas 05. Por enquanto, manterei esse cardápio, mas é possível que aconteça alterações. Na temporada passada, eu conheci mais três animes que estavam fora de minha cogitação, e, ao assistir, fiquei bastante surpresa. Por isso, se você assistiu algo interessante que não foi lembrado aqui, por favor, me conte nos comentários. Quero muito trocar figurinhas com você, amado caçador de recompensas.

Ps: As sinopses foram retiradas do blog Gyabbo

Kagewani

Monstros misteriosos que aparecem e atacam. As pessoas só podem ser usadas por eles nesta situação extrema. Por que esses monstros apareceram para atacar as pessoas? Sousuke Banba, um cientista, procura a verdade com a palavra chave “Kagewani”. Um novo sentimento de pânico e suspense começa.
                   _______________________________

Fraco. E não é pela animação ser de baixa qualidade - tecnicamente falando - mas sim porque o primeiro episódio não convence como trama. Bom, pelo menos nesse piloto. Não gostei da introdução, mas pode ser que as coisas se desenvolvam melhor com o tempo. Kagewano tem um diretor estreante no controle (Takashima Tomoya), então isso no mínimo vai servir de experiência para ele no final das contas. 




Young Black Jack


Prequel da história clássica de Osamu Tezuka, com um médico clandestino resolvendo casos que ninguém mais ousaria pegar.

Sou adepta da política de que se você mexer num clássico, que seja pra honrar o legado. Caso contrário, não mexa com o que tá quieto. Eu entendo a necessidade que a indústria tem de querer fazer dinheiro, como também a vontade de adaptar coisas boas do passado para a galera mais jovem, só que nem sempre pode funcionar. Vivemos uma outra era. Tem coisas do passado que tem que ficar no passado. Eu não sei se esse é o caso do ''Young Black Jack'', mas sei que eu gostei mais do que esperava dessa nova adaptação do mangá do Tezuka.  Sobre a qualidade da animação em si, eu continuo preferindo a do anime antigo.
Por outro lado, o diretor Kase Mitsuko (Crystal Blaze, Ristorante Paradiso, Mobile Suit Gundam: The 08th MS Team – Miller’s Report) até que conduziu bem a trama, um dos pontos mais altos foi o modo como os dilemas morais foram construídos ali e um ponto baixo, foi a censura quanto as imagens da cirurgia. No entanto, achei interessante como fui me reaproximando deles de forma natural. Ao terminar o episódio, fiquei com a vontade de assistir mais. E é isso que eu espero sentir ao acabar de ver uma estreia. A ânsia por mais, tem que funcionar de alguma maneira, e ''Young Black Jack'' soube despertar isso em mim muitíssimo bem.

Itoshi no Muco

Baseado no mangá de mesmo nome de Takayuki Mizushina, Itoshi no Muuco conta a história do cachorro de raça Akita chamado Muuco e seu dono vidreiro Komatsu-san.

Acho que sou a única que deu uma chance para a estreia de Itoshi no muco. A história é infantilzinha, e obviamente, não foi isso que me chamou a atenção nela. Na verdade, foi a ideia de que seria uma série de comédia, pensei eu então, que de repente um novo Tonari no Seki-Kun pudesse surgir aqui. Mas ao final, não me diverti, e não me empolgou em nenhum momento, como aconteceu com o Seki-kun. Se a série quiser me impressionar, vai ter que ''rebolar'' um pouquinho mais.  

CONCRETE REVOLUTIO: CHOUJIN GENSOU


O palco está montado em “um outro Japão” enquanto um banquete de diversos super-humanos se desenrola… Em uma imaginária “era dos deuses” cerca de 20 anos após a guerra, o Japão cresceu e se desenvolveu aos trancos e barrancos. E se todos os super-humanos já descritos nas histórias de ficção existissem ao mesmo tempo? Super-humanos que vieram à existência através de circunstâncias diferentes, e que são especiais de maneiras distintas – Titãs vindo do espaço, formas de vida a de um mundo místico, fantasmas e duendes dos tempos antigos, cyborgs criados por cientistas, relíquias que ressurgem das ruínas de civilizações antigas e muito mais! Um segmento destes super-humanos não guarda segredo de sua existência e ganha popularidade na sociedade. Outros encobrem suas identidades e lutam em sigilo. Há inimigos dos super-humanos, organizações que operam nas sombras. Para manter a paz e a ordem, o governo japonês tomou muitas medidas, entra elas a criação de uma organização no âmbito do Ministério da Saúde e do Bem-Estar Social: o Laboratório de Pesquisa sobre a Superpopulação. Sua missão é identificar e abordar super-humanos para supervisiona-los e protegê-los em seguida. Um membro dessa organização, Jiro Hitoyoshi, é protagonista desta série.

Com uma coloração que lembra a de Space Dandy, e uma arte mais ou menos parecida com a de Kill La Kill, o primeiro episódio de Concrete Revolutio se mostrou ter mais forma do que conteúdo. A animação está extremamente bonita visualmente falando, mas não sei se isso é motivo suficiente para me segurar em uma série. Entretanto, é inegável que existe um grande potencial nela, e a história maluca pode evoluir e nos deixar babando ainda, mas por enquanto, fico na expectativa.

One-Punch Man

O mangá gira em volta do super-herói que treinou tão duro que seu cabelo caiu, e que pode vencer qualquer inimigo com apenas um soco. Entretanto, por ele ser tão forte, acabou ficando entediado e frustrado por vencer todas as batalhas tão facilmente.

Não me interesso por histórias de super-heróis, mas One-Punch Man me chamou atenção por ser uma paródia do gênero, o que tornou o tema mais atrativo para mim. O mangá já é aclamado por todos, e as chances das coisas darem certo com o anime são grandes, já que a estréia foi fiel à obra original. O diretor Natsume Shingo (Space☆Dandy, Hori-san to Miyamura-kun) soube conduzir bem, ao lado do estúdio Madhouse, uma boa adaptação. Sobre qualidade técnica não tenho o que reclamar por enquanto. A história é divertida, e as chances de ser o melhor da temporada são enormes.



Sakurako-san no Ashimoto ni wa Shitai ga Umatteiru


Sinopse: A série gira em torno de Shoutarou Tatewaki, um estudante normal do ensino médio com uma séria mania de querer mostrar sua namorada, Sakurako Kujyou, uma mulher extraordinariamente bonita de 20 e poucos anos de uma família rica que ama “belos ossos”. Os dois vivem na cidade de Asahikawa em Hokkaido vão se envolver em vários incidentes com ossos no meio.

O plot faz qualquer um fugir da obra, mas foi bem melhor do que esperava. A arte é bonita, e a história em si flui mais naturalmente possível. A relação dos dois personagens principais tem um ar de mistério, que intriga em saber mais sobre eles. Certamente, darei mais uma chance para o próximo episódio, só pra ver qualé-que-é.





Subete ga F ni Naru


Sinopse: A história gira em torno Souhei Saikawa, um membro do Laboratório de Pesquisa Saikawa. Ele sai de férias organizadas pelo laboratório e Moe Nishinosono, a filha de seu mentor, se junta ao grupo apesar de não ser parte do laboratório. Lá os dois acabam encontrando um cadáver. Os dois trabalham em conjunto para resolver o mistério que se torna um caso de assassinatos em série.

Cara, esse episódio foi muito estranho. E eu adoro coisas estranhas. Confesso que estava um quanto ansiosa com essa estréia, e ao mesmo tempo, temerosa por causa dessa expectativa. Para a minha alegria, essa curiosidade foi saciada da melhor forma possível. A abertura é extremamente bem coreografada, assim como os diálogos dos personagens durante o episódio. A atmosfera intriga e encanta. Até agora, é a melhor estréia da temporada, entre todos que eu assisti até agora. Com certeza, em algum momento, voltarei a falar sobre ele no blog. Só espero que seja pra continuar à falar bem.

Heavy Object

A história de ficção científica de guerra gira em torno dos “Objects” – poderosas e enormes armas enormes que mudam o curso das batalhas – e os pilotos dos “Elite Objects”. Uma estranha garota dos Elite chamada Milinda encontra com Quenser, um estudante que pretende se tornar um mecânico de “Objects”, com o soldado em treinamento Heivia em um campo de batalha.

Primeiro episódio foi uma bagunça. Não entendi a proposta dele, e nem o porque de sua existência. Para um anime sci-fi, achei muito didático e genérico. Mais um entre muitos. Eu to fora! ______________________________________________________________________________________

Pra finalizar, gostaria de dizer que estou de olho em Haikyuu!! e Noragami Aragoto. Ao término dos episódios, pretendo comentar sobre eles aqui no blog mais expansivamente. 

Sobre os novatos, com certeza, devo ter deixado algo de fora, mesmo eu sentindo essa temporada fraquíssima.  Por isso, se puder, me conte nos comentários qual outra estréia que teve de interessante para eu assisti-lo mais tarde. Não se esqueça também de me contar suas impressões acerca do que você está assistindo. Opiniões são sempre bem-vindas!

 Curta a Nave Bebop no Facebook e siga também no Twitter pra estar atualizado com as postagens novas. E se puder, compartilhe esse texto com os amigos. Obrigada pela visita, e até a próxima!

Nenhum comentário:

Postar um comentário